GERAL
Typography

 

VACINA

 

O Ministério da Saúde anunciou nesta sexta-feira a ampliação do público-alvo para seis vacinas que já fazem parte do Calendário Nacional de Vacinação:tríplice viral, tetra viral, dTpa adulto, HPV, meningocócica C e hepatite A.

As mudanças buscam aumentar a proteção de crianças, ampliar a imunidade de adolescentes e diminuir a circulação de doenças na população. Entre os adultos, a meta é manter a eliminação do sarampo e da rubéola e diminuir o número de casos de caxumba e coqueluche.

Veja quais os públicos que terão direito às doses:

Hepatite A _ Passa a ser disponibilizada para crianças até 5 anos. Antes, a idade máxima era 2 anos

Tetra viral (sarampo, caxumba, rubéola e varicela) _ A dose passa a ser administrada em crianças de 15 meses até 4 anos. Antes, a aplicação era feita entre 15 meses e menores de 2 anos

HPV _ Será ofertada também para meninos. Desde 2014, a dose é oferecida a meninas de 9 a 13 anos. No próximo ano, público-alvo vai incluir ainda meninas de 14 anos. Este ano, além dos meninos, a vacina será oferecida a homens que vivem com HIV e AIDS entre 9 e 26 anos e para imunodeprimidos, como transplantados e pacientes oncológicos.

Meningocócica C _ Passa a ser disponibilizada para adolescentes de 12 e 13 anos. A faixa etária será ampliada gradativamente até 2020, quando serão incluídos crianças e adolescentes de 9 a 13 anos.

dTpa adulto (difteria, tétano e coqueluche) _ Passa a ser recomendada para as gestantes a partir da 20ª semana. As mulheres que perderam a oportunidade de se vacinar durante a gravidez devem receber a dose durante o puerpério (até 40 dias após o parto)

Tríplice viral (sarampo, caxumba e rubéola) _ Será introduzida a segunda dose da vacina para a população de 20 a 29 anos. Anteriormente, a segunda dose era aplicada apenas em pessoas com até 19 anos. Para adultos de 30 a 49 anos, permanece a indicação de apenas uma dose.

CALENDÁRIO DE VACINAÇÃO
Atualmente, são ofertadas gratuitamente via Sistema Único de Saúde (SUS) 19 vacinas recomendaras pela Organização Mundial da Saúde.

Por ano, são disponibilizadas na rede pública cerca de 300 milhões de doses de imunobiológicos que combatem mais de 20 doenças. A previsão de investimentos na área, em 2017, é da ordem de R$ 3,9 bilhões.

 

FONTE: DIÁRIO DE SANTA MARIA

 

CURTA NOSSO FACE!!

FIQUE INFORMADO,RECEBA NOSSAS NOTÍCIAS DIRETO NO SEU E-MAIL:
Google+